Sobre mim

Nasci em 1975, com perda auditiva severa a profunda
Devido a rubéola que minha mãe teve no 4º mês de gestação. Não tive infância “ouvinte”, pois do mundo dos silêncios fui introduzida precocemente ao mundo dos sons, graças aos aparelhos auditivos desde 1 ano e meio de idade. Com intenso trabalho de reabilitação auditiva envolvendo fonoaudióloga e toda minha família (pais, irmãs, primos, tios e avós), aos 2 anos eu já estava “falando”.
Meu objetivo é compartilhar com o público e divulgar o que é ser uma deficiente auditiva com perda profunda, ser oralizada e, claro, oferecendo maior motivação, interesse, credibilidade e incentivo no uso de aparelhos auditivos e na oralização precoce.
“Dou muito valor à comunicação, que faz parte do ser humano e auxilia a criar pontes entre as pessoas.”
Trabalhei em algumas empresas multinacionais, adquirindo mais experiência e mostrando a importância da comunicação dentro de um ambiente profissional. Com uma visão ampla dos processos e tratativas dos problemas organizacionais, demonstrei a importância da comunicação interna, sendo fundamental para garantir o desempenho da comunicação entre os setores unindo, assim, pessoas em torno de tarefas em comum, para com isso uns informarem aos outros sobre o andamento das atividades conseguindo, dessa maneira, aumentar o envolvimento do funcionário nos projetos, etc.
“Em vista de tudo isso, ressalto a importância de sempre se procurar conhecer pessoalmente um deficiente auditivo, pois cada pessoa é diferente e única.”
EEnfrentei diversas situações inusitadas e divertidas (e sei que ainda terei muitas pela frente), conversei com muitos pais de crianças deficientes auditivas, motivei muitas famílias e público em geral. Acredito que a palavra “preconceito” caminha junto com “falta de informação e/ou conhecimento”.
Todos são bem-vindos a compartilhar comigo minhas experiências e enriquecê-las com as suas também!